Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Página Inicial
julho 06
Prestígio x Perigo: a corrida de motos mais alucinante do mundo

Isle_of_Man_TT.svg.png

Quem curte motos não perde uma prova do MotoGP, campeonato mundial de motovelocidade. Ver pilotos como Valentino Rossi, Marc Márquez e Jorge Lorenzo acelerando motos de 1000 cilindradas nos maiores circuitos de corrida do mundo é realmente de tirar o fôlego. Mas existe uma prova que põe em prova todos os limites físicos, técnicos e psicológicos de qualquer piloto: o Tourist Trophy da Ilha de Man.

Conhecida como “A Corrida da Morte”, ela é disputada em um circuito de pista de 60km cruzando toda a ilha, entre montanhas e vilarejos, sem limites de velocidade.

O TT de Man, durante muitos anos, foi a corrida de motos mais prestigiosa do mundo e o desafio final para pilotos e motos. Porém, toda essa fama era compensada pelo alto risco. Como circuito integrante do Campeonato Mundial de Motovelocidade até 1976, muitos pilotos se recusavam a correr justamente por razões de segurança.

maxresdefault.jpg

A primeira prova foi disputada em 28 de maio de 1907, e é realizada sempre nos meses de maio ou junho. O circuito conta com um total exato de 256 curvas, sendo que o trecho urbano é extremamente perigoso, pois os pilotos enfrentam guias de calçada, postes de energia elétrica, tampas de bueiros e desníveis no asfalto a velocidades altíssimas.

Já o trecho de montanha (Mountain Course) conta com retas enormes e sequências intermináveis de curvas, possibilitando aos pilotos alcançar velocidades de aproximadamente 330 km/h. Mas o Record atual pertence à Guy Martin, que em 2010 alcançou 340 km/h.

isle-of-man-TT2.jpg

Sem áreas de escape, a corrida já vitimou, até a edição de 2015, um total de 246 competidores ao longo de mais de 100 anos de competições, sendo que desses, 141 eram competidores oficiais. O TT de Man foi interrompido apenas durante a 1ª e 2ª Guerras Mundiais, e em 2001, pela epidemia de Febre aftosa.

Com esses números não é à toa que a competição é considerada para muitos pilotos um desafio que exige muita técnica e coragem. Os vídeos abaixo mostram um pouco do que é competir no Tourist Trophy da Ilha de Man.



junho 17
Vai viajar de carro nas férias? Então essas dicas são pra você!

FériasBanner.jpg

Com o período de férias se aproximando começamos a planejar as viagens, não é? Seja para a praia ou campo, o destino geralmente vai do planejamento de despesas ao “pé-na-estrada”. Mas além das custos financeiros, para onde ir, onde ficar ou onde se alimentar, existe uma preocupação importantíssima, que é a revisão do carro, afinal não há nada pior do que ficar parado na estrada em plenas férias.

Para o carro alguns itens merecem atenção especial, como motor, pneus, freios, suspensão e toda a parte elétrica, porém não custa realizar uma avaliação das palhetas, do ar-condicionado, da iluminação interna e externa (iluminação do painel, luzes de emergência, faróis e lanternas) e dos itens de segurança como triângulo, macaco e chave de roda.

Já para curtir a viagem vale a pena se atentar à bagagem e a quantidade de pessoas que irão viajar, pois isso pode alterar a calibragem dos pneus, por exemplo. O planejamento do percurso também é muito importante: traçar pontos de parada para esticar as pernas, se alimentar e, em viagens mais longas, descansar é essencial. Lembre-se que o sono é inimigo da direção.

Para você se preparar 100% para cair na estrada e não passar perrengue separamos algumas dicas para antes e durante a viagem!

Dicas para o seu carro:

carro.jpg

Pneus, freios e alinhamento:

A falta de manutenção dos pneus é uma das grandes causadoras de acidentes automotivos. À medida que os pneus se vão desgastando o carro vai perdendo a aderência ao piso e isso pode afetar o controle do carro e aumentar o risco de um acidente. Os pneus possuem um marcador, o TWI (falamos dele nessa postagem aqui​), e quando a banda de rodagem atingir o mesmo nível dele, é necessário realizar a troca dos pneus. A calibragem dos pneus também garantem um maior desempenho e segurança do carro.

Em relação aos freios, caso o motorista, ao pisar no freio, ouvir algum barulho ou sentir perda de eficiência, o mais indicado é realizar a verificação das pastilhas, dos discos ou do fluído de freio.

A revisão do alinhamento do carro é muito importante pois evita o desgaste irregular dos pneus e ajuda a manter a estabilidade do veículo. O alinhamento deve ser feito a cada 10,000 km.

Óleo do motor:

É um dos pontos mais importantes numa revisão, pois a falta ou o excesso de óleo no motor pode causar sérios danos. É aconselhável realizar a checagem do óleo quando o motor está frio (cerca de 10 minutos após o desligamento do carro) pois isso possibilita uma verificação bem mais precisa. Se estiver a baixo (é normal baixar um pouco), complete com o mesmo lubrificante recomendado pela montadora.

 Água do radiador:

Aqui um ponto importante. A água deve ser checada periodicamente, pois a consequência da falta de água no radiador do carro é o aquecimento do motor, podendo provocar danos irreparáveis. Mas não é só água não... O sistema de arrefecimento também usa um aditivo para conservar as peças. Esse aditivo é recomendado pela montadora e deve ser trocado a cada 10 mil quilômetros. O ideal é que a água esteja exatamente no nível máximo ou entre o nível mínimo e máximo. A mesma regra de checar o reservatório do óleo com o motor freio se aplica aqui, pois quando o motor está quente a água pode espirrar para fora do reservatório.

Filtros de combustível, ar e ar-condicionado:

O filtro de combustível é responsável por filtrar todo o combustível que o carro queima e deve ser trocado a cada 15,000 km, caso contrário, danifica a bomba de combustível. Já o filtro do ar é responsável por limpar o ar que vai para dentro do motor e deve ser trocado a cada 15,000 km para garantir um bom funcionamento do motor, óleo e restantes filtros.

O filtro do ar condicionado é o responsável pela purificação do ar do interior do carro e segue o mesmo parâmetro de troca dos demais: a cada 15,000 km para não acumular fungos ou bactérias.

Dicas para a sua viagem:​
viagem.jpg 

 

Estabeleça o destino e o percurso:

Como diz o ditado: se você não sabe para onde que ir, qualquer caminho serve. Aqui é que começa a sua viagem, e planeja-la antecipadamente e de forma organizada pode lhe poupar muitas dores de cabeça que podem surgir. A dica é estudar a distância a ser percorrida na viagem, as rodovias e os possíveis pontos de paradas. Aqui também entra o mapeamento de pedágios, o que irá lhe ajudar no planejamento financeiro também.

Documentação:

E por documentação, entende-se a das pessoas que faram a viagem e do seu carro. Estar em dia com a Carteira de Habilitação e com o licenciamento, IPVA e outras obrigações são pré-requisitos essenciais para qualquer viagem de carro. Caso a viagem se estenda para outros países é muito importante verificar possíveis documentos exigidos e as regras locais. Alguns países podem exigir seguros específicos ou documentos emitidos pelo país de origem autorizando a saída do veículo, por exemplo. Em caso de dúvida, consulte a embaixada do país a ser visitado.

Calcule o tempo de estrada:

Ao calcular o quanto tempo de estrada enfrentaremos, podemos saber também a necessidade de paradas para descanso, alimentação e até aproveitar atrações ao longo da viagem. Uma boa dica é o uso de mapas virtuais que te ajudem a traçar rotas e sites de recomendação para saber o que há de legal ao longo do percurso. Como diz o blog de viagens Pé na Estrada: “Uma coisa é mandatória: nunca viaje ou chegue em uma cidade a noite. Utilize as suas noites para descansar e aproveite melhor os dias. Além disso, ser prudente não vai ocupar espaço na sua bagagem.” ;)


Agora é só se jogar e aproveitar cada KM da viagem com a família ou com o seu amor, afinal para viajar só basta estar vivo. =)




Fontes: amolgadelas.com e penaestrada.blog.br

abril 01
Você sabe como nasceu o jipe? A gente conta!
 

d3ef28mvwutl64oxxw1n.jpg

O que para muitos é uma coisa horrível, para outras é o paraíso. Essa é uma verdade muito presente da vida de todos que fazem parte da tribo dos jipeiros. Enquanto qualquer motorista lamenta ter de se enfiar em um lamaçal e fica com os nervos à flor da pele quando entra em atoleiro, para os amantes dos jipes ter o carro coberto de lama é um pré-requisito.

Rosto coberto de poeira, as mãos enlameadas e o adesivo “este lado para cima” apontando para o teto no vidro são algumas das características marcantes de qualquer jipeiro. Mas para fazer parte desse grupo, tem que estar disposto a sujar as mãos, literalmente!

Porém você sabe de onde vem a palavra Jipe? E como ele se tornou tão popular? Então vem com a gente que vamos te dar uma força para desatolar essas dúvidas.

Bantam-jeep-1.jpg 
 

Tudo começou no verão de 1940, segundo ano da Segunda Guerra Mundial. O exército dos EUA tinha grande necessidade de um veículo multiuso para os vários ambientes que o conflito era travado. Ele deveria ser leve, manobrável, robusto, confiável e extremamente ágil, com capacidade de superar terrenos difíceis e obstáculos, e espaço para transportar homens e armamentos. Dentre as várias empresas que disputaram a concorrência, somente uma conseguiu entregar um modelo que atendesse todos os requisitos, a Willys-Overland.

O QUAD, nome dado por causa do sistema de tração 4x4, foi o escolhido e somente em 1941, a fabricante conseguiu o contrato com o exército americano, que pediu nada mais nada menos do que 16.000 veículos. Foi então que nasceu o Willys MB. Por causa da grade dianteira feita com barras de aço soldadas, muito semelhantes a grelhas, o MB foi apelidado de Slatt Grill.

jeep-cj-5-1306216233-56.jpg 
 

O veículo se saiu muito bem no período de guerra, justamente pela sua versatilidade, e ganhou até uma condecoração militar. Ao final do conflito a Willys resolveu seguir a receita do sucesso e começou a produzir veículos voltados a população geral, e o CJ (abreviação de Civilian Jeep) fez as honras. Ao longo dos anos o Jeep passou por várias mãos: em 1953, a Willys-Overland foi vendida para a Kaiser Motors; Depois, em 1970, a Jeep foi comprada pela American Motors Corporation (AMC), introduzindo o modelo Cherokee; Em 1987 a Chrysler Corporation adquiriu a fabricante e ampliou o portfólio, trazendo ao mercado modelos como o Grand Cherokee e o jipinho Wrangler; Finalmente em 2014, chegou a vez da Chrysler ser comprada pela Fiat.

Mas e o nome Jeep? De onde veio? Há controvérsias sobre a real origem do nome. Alguns acreditam que JEEP veio do acrônimo GP, que em inglês significa General Purpose. Outras dizem que o termo vem da utilização pelos mecânicos do exército para designar qualquer novo veículo motorizado recebido para testes.

eugene_the_jeep_by_thinkbolt-d8d063a.jpg 
Uma das teorias mais aceitas é de que o nome foi inspirado no personagem de histórias em quadrinhos chamado “Eugene, the Jeep”, criado em 1936 pelo cartunista E. C. Segar como o bichinho de estimação de Olívia Palito, namorada do marinheiro Popeye, pois o veículo possuía características semelhantes aos do personagem. Eugene era esperto e tinha vários poderes e resolvia todo tipo de problema.

Em 1950, o nome JEEP foi registrado como marca pela Willys-Overland.

março 17
Você sabe o que fazer sob forte chuva? E se o calor for desertico?

O Brasil é um país de proporções continentais. Com mais de oito milhões de quilômetros quadrados de extensão territorial, nossa nação conta com diversos ecossistemas diferentes: da caatinga ao serrado, da Amazônia ao Pampas. E apesar do clima ser predominantemente tropical, podemos ir do calor escaldante ao frio intenso.

Por isso, na direção, cada clima demanda seus cuidados. Em chuvas fortes o ideal é reduzir a velocidade, ligar os faróis e manter uma distância segura dos outros carros. No calor, a recomendação é se manter sempre hidratado e usar óculos de sol, protetor solar e boné. Mas quais os outros impactos no carro e no motorista frente aos diferentes climas? E o que fazer para evitar possíveis acidentes nessas condições? Listamos abaixo algumas dicas de ouro para lidar com essas diferentes situações.

desert_sun.jpg 
 

Sob calor intenso:

- Se for fazer viagens longas, evite pegar a estrada logo após as refeições. Altas temperaturas contribuem para aquela moleza natural após a ingestão de alimentos, causando sonolência. Além disso, evite usar roupas e calçados muito apertados e que não permitem boa ventilação;

- Beba bastante água. A falta de água no organismo pode resultar em enjoos, tonturas e queda de pressão, por isso se hidrate, mantendo sempre por perto uma garrafinha de água;

- Faça uso constante de protetor solar e óculos de sol. O ideal é reaplicar o protetor a cada 2 ou 3 horas.

- Realize paradas estratégicas a cada duas horas pelo menos. Estacione sob lugar fresco, descanse um pouco e faça alongamentos. Dirigir por horas a fio, ficando na mesma posição por tempo prolongado, pode provocar sintomas da trombose venal profunda (TVP).

- Em dias de altas temperaturas, alguns componentes do veículo tendem a apresentar um desgaste mais acentuado. Verificar as condições de palhetas, freio, calibragem dos pneus, sistema de arrefecimento e nível de água, é essencial para manter o bom funcionamento desses componentes (leia mais detalhes nesse link - http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/noticia/2014/02/especialista-da-dicas-para-reduzir-o-impacto-das-altas-temperturas-no-carro-4419616.html);

- No dias quentes, a temperatura interna de um carro fechado e desligado chegar a aumentar 10 graus, ou seja, não deixe crianças, idosos ou animais de estimação dentro do carro em hipótese alguma.
 
winter_cold.jpg 
 
 

Sob frio intenso:

- Nas regiões mais frias, geralmente há o agravamento da neblina ou cerração. Sob essas condições o ideal é sempre manter os faróis de neblina ligados, independente do período do dia, reduzir a velocidade e manter a distância para evitar acidentes;

- Essa é para os amantes de motos: Se proteja usando agasalhos e, sobre eles, macacão, luvas, botas, de couro ou material sintético. Como os motociclistas estão mais expostos, há risco de hipotermia sob essas condições. A hipotermia caracteriza-se pela queda abaixo dos 36°C da temperatura corporal, causando o enrijecimento das extremidades, redução da sensibilidade e atenção, reflexos lentos, perda do raciocínio e concentração, sonolência, e, em casos extremos, até mesmo a morte;

- Os componentes dos carros possuem uma temperatura ideal para o bom funcionamento, e por isso em dias mais frios os carros podem apresentar alguma dificuldade na hora da partida. Nesses casos o ideal é ir com calma: virar a chave da ignição, esperar de 3 a 5 segundos para depois dar a partida. Também é aconselhável evitar ligar o carro com luzes e ar-condicionado ligados;

- Falando em ar-condicionado, no inverno e sob baixas temperaturas é indicado fazer o uso de aditivos anticongelantes para o sistema de arrefecimento, mas sempre seguindo as indicações do manual do veículo;

- Em carros com motor flex, o reservatório do motor de partida deve estar sempre cheios de gasolina, para facilitar a partida do carro.

rain_road.jpg 
 

Em fortes chuvas:

- Com a perda da visibilidade, o motorista deve acender os faróis, independente se ainda for dia, e sempre manter uma boa distância  do carro da frente;

- Evite distrações (som, celular e etc) e dirija sempre em velocidade igual ou inferior ao permitido na via. Essas atitudes contribuem para que o motorista tenha tempo hábil para tomar qualquer decisão em caso de acidentes;

- A atenção aos pneus é essencial em períodos de chuvas torrenciais, como as chuvas de verão. Andar com pneus gastos pode contribuir para a aquaplanagem, quando o carro perde aderência ao solo. A gente já ensinou como verificar se está na hora de trocar o seu pneu aqui;

- Nos casos de chuva extrema, mesmo que os limpadores estejam em perfeito estado, o ideal é encostar em um local seguro e aguardar;

- Uma boa alternativa é usar repelentes nos vidros para evitar o acumulo de água.

 

Seguindo essas dicas e sempre assumindo uma postura responsável no trânsito, não tem tempo ruim! =)
março 08
Afinal, o que é um pneu Run-Flat, hein?

RFT.jpg

A cada novo lançamento, mais itens tecnológicos são agregados aos carros. De centrais multimídia sensíveis ao toque a computadores de bordo que controlam cada parâmetro do veículo, com o passar do tempo os carros se tornaram verdadeiras máquinas inteligentes a serviço do motorista. Mas quem pensa que a tecnologia se resume somente a isso, se engana.

Um dos itens mais importantes para a segurança dos passageiros são os pneus, e como não poderia deixar de ser, as fabricantes dedicam esforços para levar o que há de melhor e mais moderno para os carros. Um exemplo de evolução dos pneus tradicionais são os Run Flat. Em poucas palavras, são pneus desenhados para rodar mesmo se estiverem furados, evitando danos a sua roda.

Agora você deve estar se perguntando: Mas como eles funcionam? Qualquer carro pode usar esse tipo de pneu? Quais as outras diferenças dele? E quanto eles custam? Essas são as perguntas que pretendemos responder nessa postagem.

img_140715_2a.jpg 
 

A grande diferença entre um pneu Run Flat e os pneus convencionais, é que o primeiro possui paredes reforçadas. Isso faz com que, no caso de furo, o pneu manterá uma altura da pista de forma com que a roda não encoste no asfalto, evitando também de rasga-lo.

O pneu se comporta dessa forma pois a sua construção possui os flancos reforçados no interior do pneu, conseguindo carregar o peso do veículo por 80 quilômetros após sua perfuração em perda total da pressão do ar.

Entretanto, pneus Run Flat só podem ser montados em carros especificamente concebidos para essa tecnologia ou que, no mínimo, tenham sido projetados com essa opção em mente, como equipamento opcional.

 
2015_lexus_nx_TPMS.jpg

Os veículos que fazem uso desse tipo de pneu precisam de um Sistema de monitorização da pressão dos pneus, dessa forma o condutor pode saber quando o pneus está furado a partir de um alerta no painel do carro. Isso sem contar que os pneus com essa tecnologia são ajustados à suspensão de cada tipo de veículo, o que significa que não são adequados para ser montados em outros veículos.

Na maioria dos casos os Run Flat são encontrados em medidas esportivas e de carros de alta performance, e custam por volta do dobro dos pneus convencionais. Esse tipo de tecnologia também necessita do uso de equipamentos específicos para sua montagem.

Diante de tudo isso fica a perguntas: Então o pneu Run Flat dura mais que o pneu convencional? A resposta é: sim e não, pois tudo depende do comportamento do condutor. Apesar do pneu conseguir rodar mesmo furado há uma limitação de distância, até 80 quilômetros, e velocidade, até 80 quilômetros por hora.

E é o Sistema de monitorização que ajuda o motorista a saber se a pressão está abaixo dos limites estabelecidos. Esse sistema oferece a vantagem ao condutor para que não tenha que ficar verificando a pressão dos pneus, pois a função do Sistema de monitorização é de avisar o condutor no caso de uma queda anormal (furo) ou se a pressão for demasiadamente baixa, em relação ao valor pré-definido. Mas isso não é uma garantia de que o veículo esteja com a pressão nos pneus correta.

É muito importante que o condutor verifique, pelo menos uma vez por mês, a pressão dos pneus Run Flat para que se certifique de que tudo está em conformidade com as indicações do fabricante do automóvel.​
fevereiro 19
Cidadania e Inclusão: Deficientes auditivos podem e devem tirar a CNH

Banner.jpg

Segundo dados do IBGE, no Brasil há cerca de 10 mil motoristas surdos. Porém, a deficiência não é impedimento para obter a CNH, sendo necessário somente que o condutor use o adesivo no veículo com o símbolo internacional de surdez, funcionando como um alerta aos outros motoristas de que o condutor é portador de deficiência auditiva.

O principal sentido exigido para os motoristas é a visão, e o DETRAN possui um treinamento específico para os condutores com essa deficiência possam usufruir de seu direito de forma segura e consciente, incentivando a inclusão social. Qualquer portador de deficiência é capaz de realizar diversas atividades, bastando apenas desenvolver os outros sentidos através de estímulos. Por isso os surdos-mudos podem, e devem, exercer seu direito a dirigir.

É fundamental que os portadores dessa deficiência interaja e se integre à sociedade, pois essa é uma das maneiras de desenvolver seus sentidos, e para que essa inclusão seja feita é necessário primeiramente respeitar as pessoa com deficiências e reconhecer os seus direitos!

Inclusive, existem alguns passos para obter a Carteira Nacional de Habilitação:


- O candidato deverá levar à junta médica do DETRAN um laudo médico especificando o seu problema físico. No caso do deficiente auditivo levar o exame audiométrico, com laudo;

- Para obter a permissão para dirigir, o candidato deverá realizar o exame psicotécnico antes do exame médico. O exame médico inicial deverá ser efetuado pela junta médica da Comissão de Exames Especiais do DETRAN que irá sugerir ou não adaptações para o veículo e observar se a categoria pretendida pode ser concedida;

- A continuidade do processo de habilitação será na Delegacia da Comarca ou Delegacia Regional, da cidade de residência do candidato. Após aprovação no exame psicotécnico e médico, o candidato continuará seu processo de habilitação submetendo-se, a prova teórica e prática de direção, em veículo adaptado se for o caso.

- Os documentos necessários são: Carteira de identidade atualizada (conforme Art.3 da lei nº12037/09); CPF; Comprovante de endereço; Foto 3×4 colorida recente (no caso de Permissão para Dirigir ou renovação de CNH do modelo antigo); Laudo médico; Documento de Arrecadação Estadual (DAE), de todas as taxas, quitado.


Mais informações sobre o processo e a prova teórica, você encontra no site Diário do Surdo​.


*Fonte: Diário do Surdo

fevereiro 15
Teste definitivo comprova que bebida e direção não combinam!

Banner - Alcool e Direção.jpg

3 gramas de álcool por litro de sangue. Essa é quantidade suficiente para que um motorista passe do estado de excitação que as bebidas alcoólicas proporcionam para a embriaguez. Vertigens, desequilíbrio, dificuldade na fala e distúrbios da sensação e de atenção são somente alguns dos efeitos do álcool no corpo de uma pessoa, e a soma deles com direção é a fórmula perfeita para a tragédia.

Para se ter uma ideia, a concentração máxima de álcool permitida por lei é de 0,1 mg por litro de sangue. Apenas um copo de chope é o suficiente para atingir esse limite. De acordo com legislação, o motorista que for flagrado com nível de álcool acima desse valor leva multa no valor de R$ 955, e ainda tem o carro apreendido e a perda da habilitação. Ou seja, o melhor é não arriscar, né? =)

E para mostrar que bebida alcoólica e direção NÃO combinam, o canal Acelerados, do Youtube, colocou na direção o ex-piloto da F1 Rubens Barrichello para mostrar na prática o quanto o álcool interfere na direção. Vale a pena conferir!


janeiro 15
Um TOP 5 para nenhum viajante de plantão botar defeito!
Night Trip.jpg 
 

Quem é viciado em adrenalina é adepto convicto de esportes radicais. Se jogar de bungee-jump, saltar de paraquedas, escalar montanhas íngremes ou descer ladeiras de skate são apenas algumas atividades de quem busca fortes emoções. No universo automotivo, existem os track days, onde os apaixonados por carros perseguem as altas velocidades. Mas para quem não abre mão de adrenalina e é também um entusiasta dos motores, existem opções ainda mais alucinantes espalhadas pelo mundo do que os tracks days.

Em meio a abismos, desertos, altitudes extremas, terrenos desafiadores e paisagens deslumbrantes estão as estradas mais perigosas do mundo e a gente separou um TOP 5 com as melhores na nossa opinião. Então apertem bem os cintos, preparem o coração e vem com a gente! =)

Yungas.jpg 
1ª Camino a los Yungas

Também conhecida como Camino de la Muerte, ou Caminho da Morte, não possui esse nome à toa. Em sua parte mais alta, a estrada corta a mata a mais de 4000 metros acima do nível do mar e tem aproximadamente 3 metros de largura. Ela faz a ligação entre a capital La Paz e a região dos Yungas.

Quem quiser percorrer os 60 quilômetros de extensão da rodovia tem que estar disposto a enfrentar chuvas e neblina no meio do caminho... e não se deixar levar pelos 114 acidentes e 42 mortes que ocorreram ali, somente em 2011.


Trollstigen.JPG 
2ª Trollstigen

O Caminho dos Trolls está localizado em Rauma, na Noruega, é uma amostra de quão tortuoso pode ser o caminho até o reino de Asgard, lar dos deuses nórdicos. Sendo um trecho da Estrada Interestadual 63, a Trollstigen possui 11 curvas com uma inclinação de até 10%.

Seus paredões rochosos, cachoeiras e mirantes completam a vista deslumbrante da estrada. Mas para quem tem planos de percorrê-la precisa se programar, pois ela só está aberta entre os meses de maio e outubro, estando fechada fora desse período devido o inverno rigoroso da região.


Panam.jpg 
3ª Rodovia Panamericana

Se pudéssemos fazer uma alusão entre as grandes maratonas e as rodovias, a Via Panam seria o Ironman! São aproximadamente 30.000 quilômetros de extensão, ligando o extremo norte (no Alasca) ao extremo sul (na Argentina). Por cortar todo o continente americano, a estrada possui diferentes desafios: de temperaturas extremas à desertos.

Para os viajantes de plantão, percorrer a Panamericana é um desafio obrigatório a ser cumprido pelo menos uma vez na vida.


Stelvio.jpg 
4ª Passo dello Stelvio

60 curvas, altitude de quase 3000 metros acima do nível do mar, uma das mais belas vistas de toda a Europa. Essas são somente algumas das características do Passo do Stelvio, localizado no norte da Itália. Além de ser uma das mais altas da região, ela é muito procurada por motociclistas em busca de desafios.

A estrada também faz parte do trajeto percorrido pelo ciclistas que disputam o Giro d’Italia.


Karakorum.jpg 
5ª Karakorum Highway

Ligando as cidade de Kashgar, na China, à Islamabad, no Paquistão, a Estrada do Caracórum, em português, é conhecida também como “autoestrada da amizade” pelos chineses. E ela não é tão novinha assim, afinal há milênios ela serve como Rota da Seda para os mercadores que comercializavam o produto entre o oriente e o ocidente.

São 1200 quilômetros a uma altura de 4700 metros, o que a torna a estrada pavimentada internacional que alcança maior altitude. Além de todos os desafios, são as belas paisagens que atraem os viajantes.
dezembro 31
5 motivos para você escolher viajar de carro!

road.jpg 

Temporada de férias. Período em que a gente quer esquecer dos problemas e relaxar, e para muitos nada melhor do que uma bela viagem para purificar a alma, não é mesmo? Porém, para os apaixonados por carros, o destino final não é o mais importante, mas sim o percurso. Sentir a brisa ouvindo uma música ao lado dos amigos, da família ou do seu amor é algo que não tem preço. Ainda mais curtindo paisagens magníficas que algumas estradas nos proporcionam.

Viajar de carro é uma escolha... não só pela sensação de liberdade, mas justamente pela experiência de passar por lugares novos, que nos trazem momentos únicos. Por isso, aqueça o motor, chame os caronas, encha o tanque, pise no acelerador e vem com a gente... porque preparamos uma lista com as mais badaladas estradas ao redor do mundo. E o melhor: algumas estão bem pertinho da gente... ;)

Rota66.jpg

1ª Rota 66

Localizada nos Estados Unidos, mais precisamente entre os estados de Illinois e a Califórnia, a Rota 66 é de longe a estrada mais celebre do mundo. Inaugurada no dia 11 de Novembro de 1926, ela fazia parte do U.S. Highway System, deixando a rede integrada de rodovias norte-americana em 1985. Atualmente ela existe como uma rota histórica, sendo reconhecida pelo governo dos EUA devido a sua importância cultural e turística. Para se ter uma ideia, as margens da rodovia abrigaram os primeiros motéis e o primeiro McDonald’s do mundo.

Quem quiser percorrer essa estrada tem que estar pronto para rodar por oito estados e 3.755 quilômetros. A Rota 66 começa em Chicago, Illinois, e passa por Missouri, Kansas, Oklahoma, Texas, Novo México, Arizona, e termina na cidade de Santa Mônica, na Califórnia.

Umas das atrações da Mother Road é o Cadillac Ranch, em Amarillo, Texas, onde fica uma escultura feita em 1974 pelo grupo de arte Ant Farm, usando dez modelos de automóveis da marca Cadillac.

RecifeMaceio.jpg

2º Estrada Recife-Maceió

Contando com pouco mais de 280 quilômetros, unindo os estados de Alagoas e Pernambuco, a AL-101 proporciona aos motoristas uma vista cercada por coqueiros e águas claras. Há quem pense estar dirigindo em pleno Caribe, mas o mar com tons de azul e verde é genuinamente brasileiro. Diante desses cenários paradisíacos, o ideal é planejar a viagem com algumas paradas estratégicas para poder curtir tudo sem pressa.

Já em Pernambuco, na PE-076, a rota leva à Praia dos Carneiros e ao Porto de Galinhas, destinos muito procurados por brasileiros e estrangeiros devido a beleza do mar.

Guoliang.jpg

3º Túnel Guoliang

Na China existe uma estrada, que na verdade é um túnel rodoviário escavado por entre as entranhas das montanhas Taihang, na província chinesa de Hunan, apelidada de “a estrada que não suporta erros”.

São 1.200 metros de comprimento, cinco de altura e quatro de largura, construídos em apenas cinco anos por somente 13 pessoas. Incrível não?

Ele foi inaugurado em 1977 e muitos dos trabalhadores não conseguiram ver o final da obra, o que rendeu ao túnel o status de lenda, gerando histórias acerca da sua obra e o apelido imponente.


EstradaReal.jpg 

4º Estrada Real

Em meados do século 17, a Coroa Portuguesa precisa de caminhos para ecoar a produção de minérios (ouro e pedras preciosas) do estado de Minas Gerias até os estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Dessa forma, várias trilhas foram abertas através das matas. A essas trilhas, oficializadas pela realeza, deu-se o nome de Estrada Real.

São mais de 1.630 quilômetros de extensão, divididos em quatro caminhos: Caminho Velho, que liga as cidades de Ouro Preto e Rio de Janeiro; Caminho Novo, que liga a cidade de Paraty e Rio de Janeiro; Caminho dos Diamantes, que ligada as cidades de Ouro Preto e Diamantina; e o Caminho Sabarabuçu, localiza em Ouro Preto.

Os caminhos podem ser feitos de carro, bike, caminhada ou a cavalo... todas as opções são indicadas!


Atlanterhavsveien.jpg

5º Rodovia Atlântica​

A mais bela construção norueguesa do século 20 e Patrimônio Cultural da Noruega. Só pelo título já dá para saber que a viagem vale cada metro rodado. Inaugurada em 7 de julho de 1989, a Rodovia Atlântica liga as cidades de Molde e Kristiansund e tem pouco mais de oito quilômetros, mas o charme são as elevações e pontos ao longo da estrada.

O cenário exuberante e as paisagens dignas de pintura proporcionam fotos incríveis. Rodar por ela é como estar em uma montanha-russa, devido as curvas, elevações e a proximidade com o mar. Inclusive, em alguns lugares da estrada, pode-se ver baleias e focas.


Fonte: IG Turismo

dezembro 28
Licenciamento: passo-a-passo para manter seu carro prontinho para rodar!

Imagem - Transito.jpg
 
Nas última semanas a gente falou um pouco sobre as principais taxas que os donos de veículos geralmente se preocupam no começo do ano, IPVA e DPVAT. O pagamento dessas duas taxas é essencial, mas ainda existe mais um processo anual muito importante: o Licenciamento.
O pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores e do Seguro Obrigatório fazem parte desse processo, e o certificado de registro e licenciamento de veículo (CRLV) deve ser renovado anualmente. Percebe-se a importância de estar com todos esses compromissos em dia, não é mesmo?
Mas o que significa ter o carro licenciado? Quais os procedimentos padrões para estar em dia com esse compromisso? O que acontece se eu esquecer de pagar essa taxa? Pode deixar que a gente tira essas e outras dúvidas pra você! =)
O licenciamento é um procedimento anual e obrigatório que autoriza o veículo a circular pelas vias, atestando que o automóvel encontra-se em conformidade com as normas de segurança e ambiental para o setor automotivo.
Foto_Renavam.jpg 

Para concluir o licenciamento, o proprietário do veículo deve estar em dia com o DPVAT (seguro obrigatório), IPVA e quaisquer outros débitos, ou seja, multas ou parcelas, no caso de carros financiados. Além disso, o veículo deve estar registrado no Estado de origem e não pode apresentar restrições judiciais ou administrativas, como falta de transferência, apreensão, registro de furto ou roubo, por exemplo.
O calendário do período de licenciamento vária de Estado para Estado, então vale a pena sempre ficar de olho no site do DETRAN pra não perder a data. O valor também varia, oscilando entre R$50 e R$150, podendo ser pago antecipadamente junto com o IPVA ou no período estipulado pelo Estado baseando-se no último dígito da placa do veículo.
Por se tratar de um documento de porte obrigatório, o motorista que dirigir sem ele corre o risco de levar multa no valor de R$53,20, três pontos na CNH (infração leve) e a apreensão do veículo até que o proprietário apresente o CRLV. Caso o motorista não esteja em dia com o licenciamento, a multa sobe para R$ 191,54, sete pontos na CNH (infração gravíssima), bem como apreensão e remoção do veículo.
O licenciamento pode ser realizado em postos de atendimento do DETRAN ou nos Ciretrans. Quem preferir pode fazer também pela internet via sistema bancário (agências bancárias, caixa eletrônico ou internet) e entregue por meio dos Correios. Em São Paulo, por exemplo, os motoristas podem realizar o licenciamento nas agências do Poupatempo e ter o CRLV entregue em casa também pelos Correios.​​

1 - 10Próxima
 

 Sobre este blog

 
Sobre o Blog AutoZ

O Blog AutoZ surgiu do desejo de informar, entreter e explicar tudo sobre o universo automotivo. Aqui o nosso coração é o motor e a gasolina corre nas nossas veias!